Natureza madrasta

Sempre ouvi dizer que fazer um canteirinho de temperos é a coisa mais fácil. Que salsinha é mato. Coentro é mato. Manjericão, então, minha filha, é pior que mato. Pois sim.

Do manjericão nem posso falar, que comprei pronto, já com uns 20 centímetros. E veio até com praga de brinde. Mas salsinha e coentro, ô frescas. Comprei sementes de marca boa, botei terrinha em local aprazível, cheguei ao requinte de enterrar na profundidade pedida na embalagem. Hunf.

A salsinha plantei, esperei, olhei… nada. Mas salsinha eu ainda relevava, que gosto muito, mas não tenho assim um amor antigo, daqueles que doem na alma. Brotou uma semente. Só uma. E lá foi ela toda desengonçada, com umas folhinhas esquisitas, e nada das folhas definitivas. Um dia ia dar um almoço e, como o berçário estava morando na minha mesa de jantar, mudei todo mundo pra janela. Achei que ia ser o máximo pra elas, a brisa, o solzinho suave, a natureza. Nada. Foi o fim da minha única salsinha. Naquele dia caiu um temporal, uma ventania sem pai nem mãe, e a salsinha se quebrou ao meio (não que isso seja desculpa, porque aconteceu a mesma coisa com a rúcula e ela está lá, tranquilona, se recompôs. Ao contrário das salsinhas, aparentemente as rúculas não se entregam diante do primeiro contratempo. Garrei implicância de salsinha).

Com o coentro foi ainda mais dramático, porque amo coentro, tenho planos para o coentro, penso nele em horas impróprias. Sentei pra plantar e foi o primeiro saquinho que escolhi. Achei as sementes lindas, fiz os buraquinhos, cobri com esperança. E nada. Se-ma-nas se passando e nada. Esperei, olhei, pedi: “nasceeeeee”, mas ele nem aí. Praticamente um porquinho-da-índia. Aí me rebelei, resolvi jogar umas sementes assim a céu aberto, na natureza selvagem do terraço, pra mostrar logo de uma vez quem é a espécie dominante por aqui. E, olha, cheguei à conclusão de que coentro é tempero de malandro. Não só nasceu super rápido, como nasceu gêmeo. Achei lindo. Esqueci nossas desavenças, voltei a pensar nos momentos que passaremos juntos num ménage com umas batatas ao forno. Estou quase consentindo em achar que a natureza não é assim tão madrasta.

Coentros gêmeos selvagens, ainda com a sementinha.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: